Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

Valpaços - Lameiro de luxo

Aquilo  que muitos terão considerado uma enorme loucura, só possível pela conjuntura política local que na época se vivia cá na terra é visto, nos dias de hoje, seguramente, pela generalidade das pessoas. Refiro-me à coragem que alguém teve nos idos de oitenta do século passado, fazendo algo que, para os mais conservadores e, possivelmente para eles próprios seria impensável, se pensassem que avançavam para uma autêntica nacionalização. Creio mesmo que jamais alguém terá colocado a questão nestes termos. A ser assim, talvez não tivesse acontecido esse acto porventura revolucionário.

 

Na verdade, ainda que a ideia inicial da construção de um bairro social tivesse, afinal, vindo a ser ultrapassada pela lógica dos acontecimentos, alicerçada, aliás, em interesses bem conhecidos, a "tomada" da Quinta do Arco pelo Município para a tansformar num espaço urbanizável, acabou por consubstanciar aquela que foi, certamente, a maior transformação que Valpaços já sofreu no seu tecido urbano. De Zona de Expansão Urbana apelidaram este pedaço da então Vila e o nome assentou-lhe tão bem que, para além de ainda se manter, provocou uma verdadeira explosão na construção civil da localidade e estimulou os privados a continuar para além dos limites da intervenção iniciada pela edilidade. E os valpacenses orgulham-se, de facto, desta zona residencial e, sobretudo, dos encómios que ouvem, no dia-a-dia, daqueles que por cá passam ou nos visitam.

 

Mas, logo que a ideia do bairro social foi substituída pela da urbanização camarária com a subsequente venda de lotes em hasta pública, preferentemente a quem necessitava de edificar casa própria, até pela escassez de habitações de renda que ao tempo se fazia sentir, o município criou um regulamento que configurava as condições de aquisição e, naturalmente, as de alienação por parte de quem, por qualquer motivo, o pretendesse fazer posteriormente. Ora, se a memória não me falha, haveria a obrigatoriedade de aquele ou aqueles que não entendessem construir dentro de um determinado período de tempo, entregarem o lote à Câmara Municipal, que poderia colocá-lo, de novo, em hasta pública ou, se assim o entendessem, iniciar a obra de construção civil e prossegui-la até à colocação da primeira placa (percoar-me-ao aqui a falta de rigor técnico), altura em que, então sim!, teriam o direito de fazer a alienação do prédio.

 

Todavia, como o tempo faz esquecer muita coisa, acrescido do facto de o hábito de ninguém querer chatear-se permitir que se deixe andar, tem sido frequente a constatação de que uma série de lotes em que nunca se esboçou qualquer tentativa de construção, vão passando de mão em mão por preços exorbitantes e, necessariamente, à margem do dito regulamento. Ou seja, as regras foram aplicadas em determinados casos mas, noutros, foram abolutamente esquecidas. Talvez  o assunto merecesse uma boa investigação.

 

Seja como for, passados mais de vinte cinco anos sobre o primeiro grupo de lotes alienados pela autarquia, ainda permanecem alguns à espera que os especuladores possam continuar a ganhar dinheiro à custa do erário público. E quem sabe se não estarão entre aqueles que menos impostos pagam ou que mais depressa lhes fogem, mas que estarão sempre atentos a qualquer oportunidade em que o Estado lhes possa ser verdadeiramente útil, nomeadamente, não abdicando dos serviços públicos.

 

Alguns desses espaços estão, portanto, exactamente como nessa altura. Melhor, com as chuvas que, finalmente, vieram alegrar os nossos agricultores, transformaram-se em verdadeiros lameiros cuja erva, alguns aproveitam para matar a fome. Lameiros que, afinal, atendendo ao seu valor de mercado, são um verdadeiro luxo. E ainda chamam burros aos que aí vão pastando!

 

 

publicado por riolivre às 22:36

link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Câmara atenta a 20 de Novembro de 2009 às 11:25

A foto será no terreno do HELDER... que estava mesmo necessitado de um terreno, coitadinho toda a vida um coitadinho dum mesquinho! miserável que conta os tostões à custa do zé povinho
e o Burro, somos nós?? (parafraseando Scolari) que (não) compramos lote!! ;(

De Eugénio Borges a 25 de Novembro de 2009 às 23:37
Este artigo constitui-se, em certa medida, como um belo retrato do burgo Valpacense. Excelente!

Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2015

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. NATAL 2015

. XXIII ENCONTRO DE FOTÓGRA...

. ...

. VALPAÇOS - PASSEIO LAGARE...

. ARRAIAL TRANSMONTANO

. É NATAL

. EXPOSIÇÃO DE PRESÉPIOS

. ILUMINAÇÃO DE NATAL

. Frio com força

. CASTMONTE 2013

.arquivos

. Dezembro 2015

. Maio 2015

. Dezembro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Dezembro 2013

. Outubro 2013

. Novembro 2011

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.visitantes

.Tempo

Weather Forecast | Weather Maps

.Lumbudus

.Lumbudus

http://farm5.static.flickr.com/4004/5152770955_66cb6367b4.jpg

.Lumbudus

http://farm5.static.flickr.com/4004/5152770955_66cb6367b4.jpg
blogs SAPO

.subscrever feeds